domingo, 10 de abril de 2016

RJ REGISTRA PRIMEIRA MORTE POR GRIPE H1N1 NESTE ANO

Rio - O Rio de Janeiro registrou a primeira morte provocada pela gripe H1N1, conhecida popularmente como gripe suína, neste ano. O caso foi registrado em março na Região Metropolitana, mas a Secretaria de estado de Saúde não informou em qual o município. Em todo o estado, foram registrados três casos da doença até o momento, segundo a Superintendência de Vigilância Epidemiológica e Ambiental da secretaria.



A vítima não foi identificada. A secretaria não divulgou se ela morreu em casa ou em alguma unidade de saúde. Em 2015, não houve nenhum caso confirmado de H1N1 no estado. A morte, em fevereiro, de uma mulher de 57 anos, moradora de Resende, no Sul Fluminense, também está sendo investigada.

De acordo com o Ministério da Saúde, neste ano já houve mais de 305 registros em 11 estados e 46 mortes relacionadas à doença no país, 38 delas em São Paulo. Em todo o ano de 2015, o Brasil confirmou 141 casos de H1N1 e 36 óbitos. No Rio, os casos devem aumentar a partir de junho, quando as temperaturas são mais baixas. Apesar da morte, o estado não antecipará a vacinação contra o vírus H1N1, diferentemente de São Paulo, que enfrenta um surto da doença antes do período previsto. 

“Tem havido mais casos quando comparado a 2015, mas em patamares ainda baixos. A gente não vê necessidade de antecipar a vacinação porque nenhum município apresenta aumento significativo que justifique isso”, afirmou o subsecretário de Vigilância em Saúde do Rio, Alexandre Chieppe.

O calendário nacional da campanha de vacinação contra a gripe, definido pelo Ministério da Saúde, não será alterado e começa no dia 30 de abril. A previsão é que as doses comecem a chegar a partir desta quinta-feira aos estados. 

Médicos alertam que os sintomas da H1N1 podem estar sendo confundidos com os da dengue nas emergências públicas e privadas. “Nem todos os casos são dengue, chikungunya ou zika. Como estamos vivendo esta epidemia, acabam pensando que o paciente tem essas doenças e se esquecem de fazer o diagnóstico correto de gripe”, adverte o médico Artur Timerman.

Como evitar

O contágio e a transmissão pela Influenza A (H1N1) ocorrem pelo ar ou por contato direto com secreções respiratórias de pessoas infectadas, presentes na tosse ou espirro. Sofrem mais com a doença as grávidas, crianças com menos de 5 anos, pessoas com doenças que atacam a imunidade e idosos com mais de 65 anos.

Os principais sintomas da doença são febre alta, tosse, dor no corpo, dor de cabeça e indisposição. Algumas medidas para evitar a propagação do vírus são lavar as mãos regularmente com água e sabão ou usar álcool em gel, evitar aglomerações, cobrir a boca e o nariz ao espirrar ou tossir e manter os ambientes sempre ventilados e limpos.


PARA MAIS INFORMAÇÕES ACESSEM ODIA.IG.COM.BR

Nenhum comentário: