sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

ANTI-ISRAEL: JOHN KERRY ESTÁ TRABALHANDO EM OUTRA RESOLUÇÃO DA ONU QUE RECONHECERÁ OFICIALMENTE UM ESTADO PALESTINO

Vários órgãos de comunicação estão informando que o Secretário de Estado dos EUA, John Kerry, está finalizando um documento que a administração Obama espera formar a base para uma resolução do Conselho de Segurança da ONU que reconheça oficialmente um estado palestino antes do fim do mandato de Barack Obama no dia 20 de janeiro.


Isto vem na esteira da aprovação pelo Conselho de Segurança da ONU da resolução 2334 em 23 de dezembro. Essa resolução declarou que todos os assentamentos israelenses na Cisjordânia são ilegais, afirmou que o Conselho de Segurança reconhece as linhas de cessar-fogo de 1967 como a fronteira entre Israel ea "Palestina", e deu oficialmente Jerusalém Oriental aos palestinos. Mas deixou de reconhecer formalmente um Estado palestino. A resolução 2334 fala de um Estado palestino no futuro, mas esta nova resolução que John Kerry está supostamente trabalhando em daria imediata e permanente de reconhecimento do Conselho de Segurança da ONU a um Estado palestino.


Se houver uma resolução do Conselho de Segurança da ONU que oficialmente estabeleça um estado palestino antes de 20 de janeiro, não haverá nenhuma dúvida de que representará "a divisão da terra de Israel" nas Nações Unidas que tantos de nós estamos assistindo.

De acordo com o Times de Israel, o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu está antecipando precisamente esse tipo de movimento na ONU, e ele está chegando a Donald Trump para ajudar...

Em meio à crescente queda do voto do Conselho de Segurança da ONU na sexta-feira que condenou as atividades de assentamento de Israel, um furioso primeiro-ministro Benjamin Netanyahu foi relatado na noite de domingo para tentar "recrutar" o governo Trump e o Congresso dos EUA para bloquear uma oferta temida pelo Obama para que o Conselho de Segurança aprove os princípios para um Estado palestino.


Está sendo relatado extensamente que John Kerry emitirá um discurso dentro dos próximos dias que exporão um plano específico para "uma solução two-state". Esse mesmo artigo do Times de Israel diz que Netanyahu está profundamente preocupado que Obama "procurará ter uma resolução consagrando os parâmetros adotados pelo Conselho de Segurança da ONU" antes do final de seu mandato em 20 de janeiro...

O medo de Netanyahu é que o secretário de Estado John Kerry estabeleça princípios ou parâmetros para um estado palestino em um discurso que ele disse que vai entregar nos próximos dias em sua visão do Oriente Médio. O primeiro-ministro teme que, em seus últimos dias, o governo Obama procure obter uma resolução que consagre os parâmetros adotados pelo Conselho de Segurança da ONU, disse o relatório.

A França vai realizar uma conferência sobre o conflito israelo-palestiniano em 15 de janeiro, e Netanyahu espera que Kerry assista, que o Quarteto do Oriente Médio - EUA, ONU, Rússia e UE - coordene suas posições nessa cúpula e que eles Irá então recorrer ao Conselho de Segurança nos últimos dias da presidência de Obama, sugeriu um relatório do canal 10.

Se John Kerry simplesmente se levantasse e fizesse um discurso sobre o que ele pensa que a solução para o conflito israelo-palestino deveria ser, isso seria bastante sem sentido. Na verdade, haveria pouco sentido em fazer isso a menos que uma ação fosse ser tomada no Conselho de Segurança da ONU antes do fim do mandato de Obama.

No início de hoje, a âncora e repórter israelense-francesa Julien Bahloul enviou a seguinte mensagem em sua conta do Twitter: "#BREAKING: o Secretário de Estado John Kerry trabalha sobre um texto reconhecendo o Estado da Palestina".

Quando você apertar o botão traduzir, é assim que o tweet é traduzido: "#BREAKING: Secretário de Estado John Kerry iria trabalhar em um texto reconhecendo o Estado da Palestina".

Quando eu vi pela primeira vez, ele enviou arrepios através de mim.

De acordo com a I24news, este documento em que Kerry está trabalhando usaria as linhas de cessar-fogo de 1967 como base para as fronteiras entre os dois estados, mas também incorporaria "trocas de terra" para que a maioria dos colonos judeus na Cisjordânia pudesse ficar onde eles estão.

O secretário de Estado dos Estados Unidos, John Kerry, está preparando um documento que servirá de base para as negociações finais entre israelenses e palestinos a serem apresentadas no mês que vem, antes de o presidente Barack Obama deixar o cargo.

O documento descreve o estabelecimento de um futuro Estado palestino de acordo com as fronteiras de 1967 internacionalmente reconhecidas, com trocas de terra deixando aproximadamente 75 a 80 por cento dos colonos israelenses que vivem na Cisjordânia sob a soberania de Israel, diz a reportagem.

Os princípios também definirão os requisitos para o reconhecimento palestino de Israel como um Estado judeu e o necessário reconhecimento israelense de um Estado palestino com Jerusalém Oriental como sua capital, afirma Al Quds.

Seria difícil exagerar o quão perigoso isso é. Como eu expliquei ontem, quando Barack Obama decidiu trair Israel nas Nações Unidas, ele amaldiçoou a América. E uma resolução que reconheceria oficialmente um Estado palestino seria uma traição ainda maior do que a resolução 2334.

Em agosto, fui a um dos maiores shows cristãos da América e especificamente adverti que Barack Obama trairia Israel nas Nações Unidas. Também tenho repetidamente apontado o padrão de julgamento que vimos nas últimas décadas, sempre que os EUA fizeram movimentos para dividir a terra, e tenho repetidamente avisado sobre o que acontecerá quando nosso governo estiver envolvido na divisão oficial da terra de Israel e estabelecer um Estado palestino.

Não consigo entender por que mais líderes cristãos não estão ficando extremamente perturbados com isso. Eles sabem que a Bíblia diz que Deus abençoará aqueles que abençoam Israel e que amaldiçoará aqueles que amaldiçoarem Israel.

Muitos desses líderes também sabem que haverá consequências extremamente graves para os Estados Unidos, uma vez que um estado palestino seja declarado.

Então por que eles não estão dizendo algo?

Por que eles não estão avisando as pessoas?

Por que eles estão apenas indo sobre o negócio como de costume, como se nada vai acontecer?

Os pregadores do fim de semana passado em toda a América deveriam estar pregando sermões ardentes sobre a traição de Obama contra Israel na sexta-feira. Mas isso não teria sido politicamente correto para pregar durante o Natal, e assim na maioria das igrejas nada foi dito.

A aprovação da resolução 2334 do Conselho de Segurança das Nações Unidas foi o evento mais proféticamente significativo em pelo menos 40 anos, e outra resolução que reconheceria oficialmente um Estado palestino seria ainda mais importante.

A América já está sob uma maldição devido à aprovação da resolução 2334. Se outra resolução for aprovada que formalmente estabeleça um Estado palestino, nossa nação experimentará um tremor diferente de tudo o que já conhecemos antes.

Oremos para que a administração Obama não tenha sucesso em conseguir esta resolução aprovada antes de 20 de janeiro, porque se acontecer, todo o inferno vai se soltar na América.

Nenhum comentário: