sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

FRAUDE: 14% DOS ELEITORES DE HILLARY FORAM ESTRANGEIROS OU FALECIDOS

Falsificação de eleições: A Casa Branca revela que 14% dos eleitores de Hillary Clinton eram estrangeiros ou mortos.

O assessor do 45º presidente dos Estados Unidos, Stephen Miller, disse ter uma quantidade de evidências de fraude na eleição presidencial de 2016, na qual os eleitores de Hillary tiveram três a cinco milhões de votos ilegais. 



"A falsificação na eleição presidencial é um problema sério neste país. Há milhões de pessoas que se registaram em pelo menos dois Estados, pessoas mortas há muito e pessoas que não são cidadãos dos Estados Unidos. De acordo com a investigação, pelo menos 14% dos não-cidadãos votaram nas eleições de Novembro de 2016. A estatística é chocante", disse o Conselheiro de Donald Trump, Stephen Miller, em entrevista ao Canal ABC TV. 

A afirmação foi feita três semanas após o lançamento de um inquérito em grande escala, lançado pela administração Trump sobre a fraude eleitoral que teria beneficiado Hillary Clinton durante a eleição presidencial em Novembro de 2016. De acordo com Stephen Miller, três a cinco milhões de votos ilegais foram usadas para fazer Donald Trump perder . 

Perante os repórteres, o conselheiro da Casa Branca classificou o caso como "escândalo", acrescentando que os EUA deveriam estar "horrorizados" porque as pessoas que não têm o direito participar nas eleições, desrespeitando, assim, "os direitos americanos que cumprem a lei". 

De acordo com uma sondagem nacional realizada por diversas universidades, no final de Janeiro de 2017, pelo menos 6,4% dos 20 milhões de adultos que não têm a cidadania dos EUA e que residem nos Estados Unidos votaram na eleição presidencial. Uma participação que teria permitido a Hillary Clinton para colectar 834,381 votos líquidos adicionais.

Nenhum comentário: